Kenneth: Helpo reforça apoio com 12,5 toneladas em géneros alimentícios e de higiene

Kenneth: Helpo reforça apoio com 12,5 toneladas em géneros alimentícios e de higiene

Comida é o bem mais necessário.

ONGD apela ao reforço de doações de fundos.

A Helpo, a atuar há 11 anos no norte de Moçambique, está a mobilizar os meios, bens e recursos que tem neste país para apoiar as populações atingidas pelo Kenneth. Até ao momento foram distribuídos vários kits de Emergência nas comunidades de Silva Macua e Mieze, cada um constituído por 25 kg de farinha, 25 kg de arroz, 25 kg de feijão, 2 kg de açúcar, 1 kg de sal, 5 lt de óleo, 15 lt de água , 10 latas de sardinhas e 4 barras de sabão. Um camião com capacidade para 100 kits de Emergência está a fazer a distribuição a 3 das comunidades afetadas e nas quais a Helpo opera de forma continuada. Após o diagnóstico da calamidade estar completo também será dado um apoio especial a grávidas e crianças até aos dois anos de idade. Os meios angariados para a resposta ao ciclone Idai estão, para já, a ser repartidos com as populações do Distrito de Cabo Delgado, zona altamente afetada pelo Ciclone Kenneth e pelas chuvas torrenciais subsequentes.

A equipa da Helpo que trabalha habitualmente nas comunidades do norte de Moçambique, região mais afetada pelo Ciclone Kenneth, distribuiu já alimentação às famílias que perderam as suas casas de forma total ou parcial nas comunidades de Silva Macua e Mieze e roupa na zona de Macomia. Até ao momento, nas comunidades em que opera, a Helpo identificou 280 pessoas abrigadas numa escola secundária, sem casa e sem comida em Mieze, 269 casas destruídas, de forma total ou parcial, em Silva Macua, e 120 casas destruídas em Mahera e 49 em Mieze. Não foi ainda possível qualquer comunicação com as comunidades afetadas no distrito de Mocímboa da Praia, que juntamente com mais 4 distritos estão isolados do resto do país, devido à destruição de uma ponte.

A Helpo está, para já, a utilizar fundos próprios para a aquisição de comida e outros mantimentos nos mercados de Nampula e Pemba, mantimentos esses que estão a ser transportados para as comunidades através de transporte terrestre, assegurado gratuitamente pelas empresas Construsoyo e Sociedade Comercial Messalopelos.

Segundo Carlos Almeida, Coordenador Nacional da Helpo em Moçambique, “esta aquisição e distribuição de alimentação é o mínimo que podemos fazer enquanto não chega a ajuda nacional e internacional a estas comunidades. Nós estamos cá, adquirimos e transportamos diretamente para quem está a passar fome e viu as suas casas destruídas. Apelamos, por isso, à ajuda de todos para podermos garantir a aquisição e distribuição de comida”.

A Helpo trabalha habitualmente nas comunidades de Chinda (Mocímboa da Praia), Silva Macua, Mahera e Mieze (Ancuabe), três das zonas que se encontram entre as afetadas. O apoio à população está a ser realizado em articulação com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e com a Diocese de Pemba e o Bispo Dom Luiz de Lisboa.

A conta aberta para o Idai (BPI IDAI Moçambique IBAN PT 50 0010 0000 3483 3480 00619) continua a receber donativos que poderão também ser utilizados para enviar ajuda a estas comunidades do norte de Moçambique.

Informação de contexto: A Província de Cabo Delgado foi fustigada pelo Ciclone Kenneth no dia 25 de Abril que afetou, sobretudo, o arquipélago das Quirimbas e a região de Mucojo e Macomia, situada a cerca de 100km a norte da capital de província, Pemba.

Na noite de dia 27 fortes chuvas sobre toda a província vieram a criar grandes cheias na cidade de Pemba. Das comunidades onde a Helpo opera, Silva Macua/Salaué foi a mais afetada. Em Mahera, as últimas informações reportam a perda de 4 casas. Em Impire regista-se destruição parcial de várias casas. Em Ngoma não existem notícias de perdas materiais. Em Chinda - distrito de Mocímboa da Praia, que juntamente com mais 4 distritos estão isolados do resto do país, devido à destruição de uma ponte - não foi possível qualquer comunicação desde o dia 25 de abril.

 

Partilhar